quinta-feira, 14 de março de 2013

Transformai

Ultimamente venho me perdendo em pensamentos sobre o contraste que há entre a humanidade e cada indivíduo que passa pela minha vida. Tenho me questionado sobre a vida ser, de fato, apenas nascer, crescer, existir e morrer... Que coisa banal é essa que aprendemos na triste verdade automática do mundo pós-moderno?! Por que é que o ego tem sido tão exaltado em meio à sociedade mascarada de solidariedade? O que falta no mundo será realmente o amor? Acho que não. Talvez o que falte no mundo não seja o amor em si, mas a atitude corajosa de mostrar, e demonstrar, o amor que está na essência de todo homem, de se comprometer com o próximo. Pois a minha fé em Deus me permite acreditar que o ser humano foi criado para ser amor humano. Com suas falhas, mas fruto de arrependimento. Com suas rachaduras, mas sólido e sustentável. Com suas cicatrizes, mas fonte de cura.

Acho que hoje em dia as pessoas vivem esperando demais receber exatamente aquilo que precisam oferecer, com urgência, acomodadas na necessidade egoísta de uma boa vida... É necessário semear mais. Ser o semeador do ser amor. Não pensar no que vou colher para o meu bem, mas pensar no bem que posso frutificar em mim e, então, espalhar as sementes. Semear coisas simples, pequenas, aparentemente inúteis, que frutificarão grandes e impactantes transformações.

Deixe-me perguntar algo: Será que há algum problema em fazer escolhas que já foram banalizadas através do tempo? Existe alguma vergonha em agir de acordo com tudo o que o amor exige? Pois é esse tipo de atitude que tem se esfriado na gélida estupidez contemporânea. E a vergonha para mim, está em se igualar com a frieza existente do lado de fora. Então, se você diz que deseja mudar o mundo, por que não começar se abstendo de toda desculpa na falta de atitude do outro? Por que não partir da crença de que há muito mais de Deus para ser visto em você? Quer algo mais honroso e digno no mundo de hoje, do que ser aquele que faz a diferença, ofuscando o falso brilho dos que apenas falam dela?

Vivem dizendo por aí que aquele que semeia sorrisos, colherá abraços. Mas cadê os sorrisos, ainda que sofridos, altruístas? Deveríamos calar as nossas opiniões que só corroem o mundo, e estender as mãos àquele de quem discordamos, ou aceitar conforme a necessidade. Creio eu que, matando o orgulho, nascerá a verdadeira revolução. Plante ações e não palavras. Pois as palavras podem ser vazias, mas as ações transparecem tudo o que são ou o que poderiam ser. Já parou pra pensar que a falta existente na pessoa ao seu lado pode ser preenchida pela sua generosidade? Reflita, então acredite. Se a humanidade caminha de forma tão cética em pleno século 21, talvez seja porque eu ou você ainda não fizemos o suficiente, para levá-los a acreditar que a paz e o amor existem, assim como a fé e a esperança que os mantêm vivos.

‘Não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente... ’ Romanos 12.2

Postar um comentário