quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Aquele que satisfaz

Faz frio lá fora. A neve cai sutilmente enquanto o sol a transforma em garoa. Sopra leve o Teu espírito, entra por cada fresta e me atrai à lareira. O Teu fogo consome a madeira, aquece o meu coração, ascende o fogo vermelho, me tira da solidão. Teu amor está em chamas. Estala. Pulsa. Dança com a brisa. Eu encho a caneca com chocolate bem quente, enquanto Seu exagero derrama em mim a graça que me aquece, que me sustenta, me mantém vivo e me alimenta. Transbordam. A graça e o amor. Inunda-me. Dos lábios escorre pela garganta, ardente o desejo do Seu coração. Pela janela eu olho, vejo a inocência e a pureza que Lhe agradam, das crianças se fazendo de anjos, brincando na neve branca como suas almas. Dou um leve sorriso que me acalma o espírito e me adoça a mente. Dou um gole na bebida. Assento-me na poltrona. Pego o meu livro favorito. Encontro Suas palavras... Ah, Suas palavras! Tão suaves e cortantes, que se alinham de uma maneira inigualável. Tão doces e encantadoras. Elas me fascinam, me transformam e me fazem sentir como se não houvesse momento melhor, ou vida melhor do que esta soprada em mim. Converso contigo. Chamo-te de amigo. No fim da prosa eu agradeço. Peço que continue escrevendo minha história, pois não há nada como estar vivo e poder confiar. Enquanto cuido do que é nosso e descanso em Sua presença, Você ascende o fogo ou diz o que preciso ouvir. Em nada me preocupo. Bem sei que me aquece, me ensina, e que em todas as necessidades me satisfaz.
Postar um comentário